Tecnologia de tratamento de resíduos

Nossas operações contam com tecnologia de ponta para o tratamento e disposição de resíduos da produção de bauxita e alumina.

Sistemas de disposição de resíduos são monitorados constantemente.

No Pará, são utilizadas duas formas de armazenamento dos resíduos: as barragens, na Mina em Paragominas; e depósitos de resíduos sólidos, na Alunorte em Barcarena.

A Mineração Paragominas tem dois sistemas de barragens: o Vale, que iniciou a operação em 2006, e o Platô, iniciou a operação em 2017. O sistema de barragens do Vale utiliza predominantemente uma combinação de métodos de alteamento a jusante e linha de centro. O sistema Reservatório do Platô nunca teve alteamento.

As barragens estão em condições estáveis e de total integridade e são constantemente monitoradas e auditadas por empresas de consultoria independentes e por equipe técnica interna especializada. A Mineração Paragominas segue um procedimento operacional que possibilita a secagem e adensamento do rejeito num curto espaço de tempo. Esta etapa de adensamento torna a operação ainda mais segura.

Já a Alunorte opera com depósitos de resíduos sólidos que possuem tecnologia de empilhamento a seco, o que resulta em um material que tem um percentual altamente sólido, entre 60% e 80%. Os depósitos de resíduos sólidos da Alunorte - DRS1 e DRS2 - não são classificados como barragens pela legislação brasileira. As áreas de depósito de resíduos sólidos da Alunorte possuem sistemas de gestão de efluentes com a tecnologia mais avançada do mundo para o descarte de resíduos sólidos de bauxita e são monitorados por instrumentos geotécnicos para garantir segurança e estabilidade operacional.

Confira mais sobre cada uma das operações no Pará clicando abaixo:


Actualizado: fevereiro 8, 2019