Alunorte recebe autorização para utilizar filtro prensa

A refinaria de alumina Alunorte, da Hydro, foi autorizada, em caráter excepcional, nesta sexta-feira, dia 5 de outubro, pelo órgão ambiental federal IBAMA, a utilizar sua moderna tecnologia de filtro prensa no processamento de resíduos de bauxita, o que estenderá a vida útil da área de disposição de resíduos de bauxita DRS1 e permitirá que a Alunorte continue suas operações de forma segura.

outubro 6, 2018

Após a decisão do IBAMA, a Alunorte trabalhará com a SEMAS, Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade, para obter autorização para uso do filtro prensa no DRS1. Este filtro gera resíduos empilháveis com consideravelmente menos conteúdo de água do que o filtro de tambor. Depois de receber essa autorização, a Alunorte poderá reiniciar a operação com 50% da capacidade.

“Estamos prontos para voltar a operar e agradecemos todo o apoio que temos recebido das autoridades e da sociedade. Estamos fazendo todos os esforços para retomar a operação, enquanto mantemos nosso diálogo com as autoridades para retomar a produção total”, disse John Thuestad, vice-presidente executivo da área de negócios de Bauxita e Alumina da Hydro.

Thuestad acrescentou que a retomada de 50% da produção da Alunorte também permitirá que a mina de bauxita de Paragominas e que a fábrica de alumínio primário Albras continuem operando com metade da capacidade, em vez serem totalmente desligadas em consequência da desativação da Alunorte.

Background

Nos dias 16 e 17 de fevereiro, a cidade de Barcarena, incluindo a refinaria de alumina Alunorte, foi atingida por uma chuva extrema, que continuou nos dias seguintes. A chuva causou inundações na região.

Revisões internas e externas confirmam que não houve transbordamento dos depósitos de resíduos de bauxita ou derramamentos prejudiciais do evento da chuva de fevereiro.

Desde 1º de março, a Alunorte opera com 50% de sua capacidade, seguindo ordens da SEMAS e do sistema judicial. Consequentemente, a mina de bauxita de Paragominas e a planta de alumínio da Albras também reduziram a produção em 50%.

Tanto a Alunorte quanto a Paragominas concederam férias coletivas a cerca de 1.000 funcionários para preservar empregos e mitigar os impactos da atividade reduzida. Em julho, Paragominas suspendeu temporariamente contratos de trabalho para 80 funcionários e rescindiu 175 contratados.

Em 5 de setembro, a Alunorte assinou dois contratos representando um marco para retomar as operações normais. Os contratos incluem um termo técnico de Conduta Ajustada (TAC) assinado entre a Alunorte - Alumina do Norte do Brasil SA, a Norsk Hydro do Brasil Ltda, o Ministério Público Federal (MPF), o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), o Governo do Estado. Pará, representado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SEMAS). Além disso, foi assinado um Termo de Compromisso (TC) social entre a Alunorte - Alumina do Norte do Brasil SA e o Governo do Estado do Pará. O TAC regula certas melhorias técnicas, auditorias, estudos e pagamentos de cartões de alimentos para famílias que vivem na área hidrográfica do rio Murucupi, enquanto o TC aborda esforços adicionais e investimentos relacionados ao desenvolvimento social das comunidades em Barcarena.


Actualizado: outubro 6, 2018