Mineração de bauxita

Aproximadamente 7 % da crosta terrestre é formada por alumínio, fazendo deste elemento químico o terceiro mais abundante na Terra, após o oxigênio e o silício. A produção de alumínio começa com a matéria-prima bauxita.

A bauxita, uma rocha encontrada geralmente próxima à linha do Equador, contém 15-25 % de alumínio e é, hoje em dia, o único minério usado para fins comerciais de extração de alumínio.

A bauxita se encontra principalmente nos trópicos, depositada em camadas horizontais normalmente a poucos metros da superfície do solo. As camadas costumam estar misturadas com minerais argilosos, óxidos de ferro e dióxido de titânio. A presença do ferro na mistura é responsável pela cor avermelhada da bauxita.

Rocha de bauxita

Quanta bauxita há no mundo?

As reservas de bauxita que se tem conhecimento correspondem aproximadamente a 29 bilhões de toneladas métricas. No ritmo da extração atual, essas reservas ainda durariam por mais de 100 anos.

Se incluirmos, porém, os recursos de bauxita ainda por serem descobertos, a estimativa total seria de 50 a 75 bilhões de toneladas métricas.

Tal estimativa prolongaria a vida das reservas de 250 a 340 anos.

 

Mapa dos países mineradores de bauxita no mundo. Listados por volume: Austrália, Brasil, China, Guiné, Jamaica, Índia. Fonte: US Geological Survey, Mineral Commodity Summaries, 2006, estatística para 2005

Mineração de bauxita em milhões de toneladas métricas por ano

Outros minérios de alumínio

A indústria de alumínio vem se preparando para utilizar, além da bauxita, outros minérios no futuro e já estão em andamento pesquisas sobre outros processos de extração. No futuro, pretendemos usar mais metal reciclado como, por exemplo, o provindo de construções.

Produção mundial: Guiné 26%, Austrália 21%, Vietnam 7%, Jamaica 7%, Brasil 12%, Índia 3%, China 3%, Outros 21%.  Reservas de bauxita: Guiné 8%, Austrália 30%, Jamaica 5%, Brasil 14%, Índia 9%, China 21%, Outros 13%.
Bauxita: Reservas (à esquerda) e produção mundial (à direita)


Como extraímos a bauxita das minas?

Passos do processo: Mineração – Transporte - Lavagem e britagem – Dois caminhos: 1) Lama - Bacia de rejeitos – Depósito – Replantio, 2) Bauxita - Estocagem

Normalmente, a bauxita é coberta por uma camada de vários metros de rochas e argila, a qual tem de ser removida, para que a bauxita possa ser extraída.  A seguir, a bauxita é transportada para a usina, onde é lavada e britada, antes de ser transportada para o refino.

A lama é depositada em bacias de rejeitos que, após seu uso, são cobertas e recebem o plantio de espécies nativas, para restabelecer a vegetação natural do local.

Escavadeira na mina de bauxita em Paragominas no Brasil

Como a mineração da bauxita afeta o meio ambiente?

Como a bauxita se encontra próxima da superfície, a lavra rompe a superfície do solo.

Anualmente, as novas terras usadas em todo o mundo para a lavra da bauxita correspondem a um total entre 40 e 50 quilômetros quadrados. No entanto, após as operações de mineração terem sido concluídas, a área normalmente é reflorestada com espécies nativas.

Desafios ambientais causados pela lavra da bauxita:

  • Mudança da paisagem e impacto sob a biodiversidade, causados pela remoção e restabelecimento da vegetação.
  • Controle de erosão e drenagem superficial pela retirada de rochas e solo.
  • Distúrbios hidrológicos relacionados com a alteração do curso, qualidade e distribuição das águas.
  • Eliminação de resíduos.
  • Poeira e ruídos causados pela mineração e transporte.
  • Acesso a desmatamento e caça ilegal, além de outros desafios, com a abertura de novas áreas.

Em média, é necessário um metro quadrado de terra minerada, incluindo estradas e infraestrutura, para se produzir uma tonelada métrica de alumínio.

O que fazemos a esse respeito?

A maioria das empresas mineradoras adota programas voluntários de melhoramento como, por exemplo, a recuperação do solo.

Um estudo feito entre 2002 e 2006 revela que a recuperação do solo foi equivalente às áreas lavradas durante o mesmo período. As minas abordadas pelo estudo representavam 66 % da produção mundial de bauxita.

Mineração em áreas de florestas tropicais

A saúde dos ecossistemas, inclusive a preservação das mais variadas formas de vida, é um dos tópicos de prioridade ambiental em todo o mundo. As florestas tropicais figuram dentre os ecossistemas mais ameaçados do planeta.

Neste cenário global, o papel da indústria de alumínio é pequeno:

  • A taxa global de destruição das florestas tropicais é de 80.000 km2 por ano.
  • 20 % dos 40-50 km2 de áreas usadas para a mineração da bauxita estão em áreas de florestas tropicais.
  • Estes 20 % (8-10 km2) representam 0,01% da perda anual das florestas tropicais por outras causas.

Considerando os programas de recuperação, em que a meta é perda zero de florestas, a intervenção da indústria de alumínio é ainda menor. Ademais, a maioria das florestas tropicais já tinha sofrido o impacto da supressão vegetal, por exemplo, antes da lavra de bauxita começar.

Replantio em Paragominas

A Hydro é sócia majoritária da mina de bauxita Paragominas, localizada no Estado do Pará, região Norte do Brasil. A Hydro Paragominas está localizada no arco de desmatamento ao longo do rio Amazonas e é um dos lugares em que o reflorestamento está sendo colocado em prática.

2006: Deu-se início à extração de bauxita em Paragominas.
2009: Início do programa de reflorestamento.
2017: Nossa meta é nivelar as áreas impactadas pela lavra com as áreas recuperadas.

Na recuperação, o relevo é sistematicamente moldada ao que era antes da mineração. A seguir, o solo superficial é acrescido e as mudas são plantadas nas áreas preparadas. As mudas, por sua vez, crescem, criando uma floresta semelhante à floresta nativa daquela área.

Crescimento de novas plantas


Actualizado: outubro 11, 2016