Fabricação

A Hydro é líder no fornecimento de lingotes de extrusão, lingotes de laminagem e ligas de fundição, além de alumínio de alto teor de pureza, com uma rede mundial de produção.

Fornecemos ao mercado mais de três milhões de toneladas métricas de produtos de fundição anualmente.

Em geral, o alumínio primário é utilizado para extrusão, laminação e fundição.

Extrusão

O alumínio, através do processo de extrusão, pode ser moldado em uma infinidade de formas e ser transformado em uma grande variedade de tubos e perfis, por exemplo.
Os tarugos de alumínio são aquecidos a 500 ºC e forçados a fluir através de uma matriz (como acontece quando se aperta um tubo de pasta de dentes), formando perfis para inúmeras aplicações.


O alumínio vem substituindo o cobre como metal preferido para tubulações em trocadores de calor e condicionadores de ar.

Lingote de alumínio passando por matriz, para dar forma a um perfil de alumínio extrudado.

Emissões geradas pelo processo de extrusão

Após a extrusão, as seções são resfriadas e temperadas, recebendo, quando necessário, tratamento de superfície. Esses tratamentos de superfície podem gerar emissões, porque o banho eletrolítico, ao qual os perfis da extrusão são submetidos para ganhar uma camada protetora, contém compostos de alumínio. Os efluentes dos banhos podem ser minimizados se forem selecionados tratamentos adequados para limpar as emissões que entram em contato com a água e o ar.

Laminação

O alumínio pode ser processado a quente ou a frio.

O alumínio é um metal muito maleável, podendo ser laminado de 60 cm a 2-6 mm. Como produto final, as folhas de alumínio podem ter a espessura de até 0,006 mm e continuar impermeáveis à luz, aroma ou sabor.

O alumínio, por si só, forma uma camada protetora, que o torna altamente resistente à corrosão. Há, ainda, uma série de tipos de tratamento de superfície que incrementam essas propriedades.

Lingote de alumínio passando por diferentes cilindros, e se tornando gradualmente mais fino.

Emissões geradas pela laminação

O óleo utilizado nos diferentes processos da laminação, para garantir a perfeição da superfície e controlar a temperatura, pode gerar emissões.

Quando as tiras recebem tratamento de superfície, os solventes da pintura podem ser liberados no forno de secagem.  Existem diversos programas de pesquisa e desenvolvimento em andamento, para reduzir a quantidade de solventes em tintas e vernizes e utilizar revestimentos com menor impacto ambiental.

Fundição

As propriedades do alumínio podem ser alteradas pela adição de pequenas quantidades de outros metais, para obtenção de ligas de alumínio.

Esses metais podem aumentar a resistência, brilho e flexibilidade do alumínio, dependendo da aplicação final. Podem, ainda, torná-lo mais fácil de moldar, permitindo uma variedade infindável de produtos.

Os materiais mais comuns nas ligas de alumínio são o cobre, magnésio e silício. Para aumentar a sua qualidade, substâncias que promovem o refino dos grãos, como o estrôncio, sódio e titânio/boreto de titânio, também são adicionados em pequenas quantidades.

 

Alumínio combinado com cobre, magnésio e/ou silício para produção de liga.

 

Os quatro métodos principais de fundição são:

  • Fundição em areia
  • Fundição a baixa pressão
  • Fundição em molde permanente
  • Fundição a alta pressão

O produto fundido geralmente requer acabamento com máquinas e, frequentemente, recebe revestimento.

Emissões geradas na fundição

Geralmente, a fusão e a fundição em moldes permanentes não produzem efeitos negativos no meio ambiente. Quando o vazamento é em areia, compostos orgânicos são utilizados. Nesse caso, é necessário tratar as emissões, para garantir que os níveis de emissões no ar e na água não sejam excedidos.   No caso de revestimentos, as emissões são as mesmas produzidas no processo de laminação.


Actualizado: outubro 11, 2016